Morando em Dubai

MITOS X VERDADES X PECULIARIDADES DE DUBAI – PARTE 2

28 agosto 2021

Meu nome é Melissa Bernadelli, sou idealizadora do projeto #mulherespelomundo e proprietária da LM Tour. Quer saber como tudo começou? Clica aqui! Mulheres em Dubai – Mel Bernardelli | #mulherespelomundo

  • Mitos x Verdades x Peculiaridades de Dubai – Parte 2

Voltei com a continuação do post anterior!!

Durante todos esses meses, cheguei aqui já estávamos na pandemia – confira como foi minha chegada Dubai, eu voltei!!! – Mel Bernardelli | #mulherespelomundo -, tive muitas experiências, que geraram todo tipo de emoção, e precisei modificar muitas crenças interiores para me adaptar. 

Por isso, resolvi fazer um post com mitos, verdades e peculiaridades de Dubai. A parte 1 você confere aqui MITOS X VERDADES X PECULIARIDADES DE DUBAI – PARTE 1 – Mel Bernardelli | #mulherespelomundo e volte para conferir a parte 2. Se você já leu a parte 1, então vamos lá!!

  • Minha legenda

 Vou legendar aqui para que vocês saibam o que quero dizer quando usar as palavras: Mito, Verdade e Peculiaridades.

Mito: Aqui, no meu post, será referente ao que ouvi sobre Dubai, mas que não passa de lenda.

Verdade:Apesar de pensar que seria incrível assistir Sócrates e Nietzsche debatendo sobre “a verdade”, não tenho a pretensão de entrar neste mérito. No post, “a verdade” será sobre o que ouvi falar de Dubai e que realmente acontece – de acordo com a minha experiência aqui.

Peculiaridades: Alguns podem chamar de coisas bizarras, de curiosidades, de insanidade… A cada um o direito de refletir e tirar suas próprias conclusões. Aqui, trato “peculiaridades” como coisas que são muito diversas da nossa cultura, do modo como vivo quando estou no Brasil.

Mas o que acontece aqui, gente?

Cultura, religião, costumes, modo de governar tão diversos são, na maioria das vezes, difíceis de serem compreendidos. Por algum tempo, também fiquei confusa, mas com o tempo – e com muita conversa com quem já vivia aqui – fui “tomando ciência” de como as coisas funcionam neste emirado!

Os Emirados Árabes Unidos se tornaram um país em 1971. Apesar da prosperidade veloz, é um país jovem. Composto por sete emirados e cada um é governado por um Emir – são 7 príncipes.

As sete famílias monárquicas, na figura do Emir, têm pode absoluto.

Os príncipes formam o Conselho de Estado. O presidente é o Emir da capital, Abu Dhabi,e o Primeiro-Ministro é o Emir de Dubai. Esses são os dois emirados mais importantes.

O islamismo é a lei oficial dos EAU. A principal fonte de legislação da federação está na sharia islâmica – é a lei islâmica, derivada do Alcorão (Livro Sagrado) e do hadith (registros de palavras  e atos do profeta Maomé). Informações segundo a Constituição de 1971, artigo 7.

Você pode pensar: “mas, com leis tão rígidas, como você pode viver aí? Pirou, Mel?”.

Pirei, não, meu povo! Lembra que este é um país de estrangeiros e que todos conseguem viver sem conflitos religiosos?

Tem um espaço para essa “harmonia” na Constituição, artigo 32 afirma:

“A liberdade de exercer o culto religioso é garantida de acordo com as tradições geralmente aceites, desde que esta liberdade seja coerente com a ordem pública ou não viole a moral pública”.

Conclusão: Há leis aplicadas para mulçumanos e “não-mulçumanos”.

Inclusive, muitas leis sofreram abrandamentos importantes em 2020 – um dos motivos é beneficiar/acolher/incentivar os estrangeiros que não param de chegar no país – Dubai é a cidade de maior interesse.

Essa introdução foi para que vocês entendam os itens que dos quais vou falar neste post!

É obrigatório cobrir o corpo todo em Dubai = MITO

As pessoas perguntam muito sobre como me visto aqui em Dubai.

Vou contar uma coisa: uso, em Dubai, as mesmas roupas que usava no Brasil!

Primeiro, vamos entender um pouco sobre alguns trajes femininos – aprendi em Dubai:

Abaya: chamarei de “vestido” comprido, vai até os pés, e mangas longas. É usado sobre as roupas. Só a cor preta está no imaginário do resto do mundo. Há dezenas de modelos, até coloridos, com cristais, com outros, bordados – um luxo!

Geralmente, os coloridos – e com pedrarias –, são usados para festas e eventos.

Shayla: É um véu usado para cobrir a cabeça, as orelhas e os cabelos. Geralmente, compõe a vestimenta com a abaya.

Usamos na visita a Mesquita em Abu Dhabi

Niqab: é similar ao confeccionado para o hijab, mas seu uso é diferente. Ele cobre até os ombros, deixando somente os olhos à mostra.

Burga ou Burq: Usado em algumas regiões do Oriente Médio, é feito de material metálico, dourado, usado para cobrir parte do rosto das mulheres. É raro ser visto nas novas gerações, exceto dos “regimes” mais radicais.

Aqui não há traje obrigatório, nem mesmo para as mulheres mulçumanas. Se elas usam, pode ser por desejo próprio ou do marido. Posso afirmar que a grande maioria, não usa!

É preciso um pouco mais de cuidado, e respeito, caso queira visitar uma mesquita – eu conto aqui como foi a minha primeira vez Mulheres em Dubai – Mel Bernardelli | #mulherespelomundo

  • Intercambistas podem trabalhar em Dubai = VERDADE

Se você viaja ao país para estudar, ou passear, utilizará o visto de turista – ele tem validade de 90 dias e é concedido da entrada dos Emirados Árabes. “Zero burocracia”!

Importante: Com esse visto não é possível trabalhar. Caaaalma que eu explico mais abaixo.

Os estudantes com cursos pelo período de 3 a 6 meses, devem solicitar o visto de estudante – o Short-Term Education Visa. É preciso que o curso tenha uma carga horária mínima de 15 horas por semana.

Boa notícia: É permitido trabalhar legalmente com esse visto. Procurar trabalho, e encontrar, é por conta do estudante!

Há, também, vistos para cursos de longa duração.

Minha agência tem parceria com uma escola incrível aqui em Dubai, inclusive estudei nela. Quer saber mais? Quer fazer um intercâmbio? Fale comigo!

  • É proibido comprar bebidas alcoólicas em Dubai = MITO

Se estiver em Dubai, não precisa abrir mão dos seus “bons drinques”!

Com a flexibilização das leis – contei para vocês que aqui tem muitos estrangeiros e chegando mais, sem parar –, comprar bebidas alcoólicas ficou mais simples.

Se você é turista, basta apresentar o seu passaporte. Se é residente, como eu, basta apresentar seu ID (é um documento de identificação, equivalente ao nosso RG e CPF no Brasil).

O próximo passo é tirar uma licença, espécie de autorização para comprar bebidas comprovando que você é residente. O processo é super simples e tive o custo de 270 dirhams .

Tem também venda por um aplicativo chamado Centaurus que é mais barato, mas tem taxa de entrega, compensa se for uma quantidade maior.

E uma amiga me falou que tem uns tal de milkman que você encomenda por WhatsApp e em pouco tempo a bebida esta na sua casa, as bebidas são bem mais caras e é ilegal. (melhor deixar essa opção em ultimo caso haha).

Dica: Bebidas alcoólicas são muito caras em Dubai, muito mesmo. Por isso, alguns viajantes optam por levar “alguns exemplares” na bagagem; isso não é ilegal, tá gente? J

  • Mulheres não podem ser mães solteiras em Dubai = MITO

Era verdade, inclusive a mulher precisava apresentar a certidão de casamento (sob pena de serem presas e/ou deportadas) no momento do parto, mas a flexibilização das leis mudou isso. Essa lei mudou em 2021!!!

 Mulheres não são punidas (sob a legislação) pelo sexo fora de uma relação matrimonial – traduzindo: não precisam ser casadas para transar!

Um lembrete: para mulheres mulçumanas, essa é uma proibição que está no Alcorão.

  • É proibido fazer tatuagem em Dubai = MITO

Digo e provo!

Decidi pela tatuagem como uma espécie de “presente de despedida”. Fiz tantos amigos e conheci um pouco mais do mundo através do olhar de cada um deles. É fantástico esse convívio harmônico entre pessoas de culturas tão diferentes.

Estúdios de tatuagem podem funcionar de maneira legal, desde que respeitam as normas sanitárias – que são exigidas em toda parte do mundo. Inclusive, temos a obrigação de conferir se elas estão sendo respeitadas – isso é autoproteção!

Escolhi a palavra Mashallah (em árabe: مَاشَاءَٱللّٰهْ).

Se tiver que escolher algo equivalente aí no Brasil, diria: “Deus te proteja da inveja…”

Bonito, né gente? Estou apaixonada por ela!

  • Dubai fez chover = VERDADE

Lembram da célebre frase: “fulano de tal não deixa barato…”? Esse “fulano de tal” é Dubai e isso não ficou barato mesmo!

A cidade gastou cerca de USD 1,5 milhão com chuvas artificiais. Acha muito? Passa o verão aqui e depois me conta… rs

Gente, estou acostumada ao ar quente das altas temperaturas, mas nunca passei tanto calor na minha vida. Os 50 graus que fazem aqui, no alto verão, nunca poderão ser completamente expressos só com palavras. Chegou a fazer sensação térmica de 57 graussssss.

Pensando nisso foi que a cidade fechou uma parceria com o Centro Nacional de Meteorologia dos EUA – que já “provocarem” 126 chuvas com a ajuda de drones.

Drones de quase dois metros dão choques elétricos nas gotículas de água de ficam nas nuvens – o objetivo é acelerar as precipitações e “dar uma refrescada” na cidade.

Tarefa concluída com sucesso! No dia 18 de julho deste ano, os drones ajudaram a provocar uma tempestade que durou cerca de 40 minutos. Olha a chuvaaaaa…

  • Peculiaridades

Se ela dança, eu danço

Para quem ainda acha que pole dance nasceu nas casas de stripper, tenho um recado: sabe de nada, inocente!

Essa prática, que mistura dança e movimentos acrobáticos de força, vem se desenhando desde um passado muito remoto. A prática de equilíbrio e força, usando um mastro vertical, era utilizada por lutadores na Índia do século XII. Chamada de yoga indiana, ela é reconhecida como esporte nacional.

A dança “caiu no gosto popular” nos anos 1920. Dançarinas eróticas, Hoochie Coochie (nome dado ao movimento que faziam no quadril), viajavam em espécies de shows circenses fazendo apresentações para soldados americanos e utilizavam as barras – que serviam de apoios para as tendas -, como parte do show.

Pelo mundo, são várias categorias – flutua lindamente pela esportiva, até a artística e a sensual; essa é a minha preferida!

Quem disse que não pode sensualizar em Dubai? Pode, sim! Encontrei aulas de pole dance aqui e estou a m a n d o!!

Meu falcão, minha vida

Pode ser que você se lembre de ter ouvido, ou lido, sobre um príncipe árabe que comprou 80 lugares, em um vôo comercial, para transportar seus falcões. Dá uma invejinha, né?

O falcão é o único animal que pode ser transportado dentro da cabine do avião nos Emirados.

Eles são amados e respeitados em praticamente todos os países árabes, mas os EAU tornaram-se o centro mundial da falcoaria.

Eles amam essa ave veloz, elegante e imponente!

Historiadores não sabem, com exatidão, em que época os homens começaram a capturar aves de rapina e treiná-las para capturar animais que não conseguiam caçar com flechas e/ou armadilhas; há referências – no território do Iraque (nos tempos presentes) – de 4 mil anos atrás.

Fato é que foram de extrema importância para os beduínos – eu conto sobre eles neste post (colocar o link do posto mulheres pelo mundo em Dubai). Antes da chegada das armas de fogo, os falcões foram de extrema importância para a sobrevivência desse povo do deserto – clima seco, calor implacável, na falta de tudo, as aves velozes e certeiras eram treinadas para caçar a proteína que os alimentaria.

No presente, são treinados (para competições) e reverenciados. A falcoaria (treinamento de falcões) no deserto foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade.

Hospital de falcões

Já que estamos falando sobre eles… Esse hospital não fica em Dubai, está em Abu Dhabi, mas vale a pena ser mencionado neste post.

Inaugurado em 1999, ele foi o primeiro hospital do mundo dedicado ao cuidado das aves de rapina. Atendem mais de 10 mil aves por ano. O hospital é mantido pelo governo, mas todos os serviços são pagos e muito bem pagos. Para manter um falcão, diferente de milênios atrás, é preciso muito ouro; inshallah!

A caça da ave é proibida; são permitidas somente as que nascem em cativeiro, o controle de identificação é rigoroso e elas podem ter até passaporte.

E você, quer saber alguma coisa sobre viver em Dubai? Pode perguntar!

Gostou? Deixe seu comentário. Compartilhe.

Melissa Bernardelli

Travel Designer desde 2014

39 países

Seu sonho é a minha viagem! #mulherespelomundo

Deixe seu Comentário

1 Comentário
  1. […] Parte 2: MITOS X VERDADES X PECULIARIDADES DE DUBAI – PARTE 2 – Mel Bernardelli | #mulherespelomu… […]

Post Anterior
Voltar para a Home
Próximo Post